Google+ Followers

segunda-feira, 15 de junho de 2015

O quadro econômico do Brasil é grave!

Por Ossami Sakamori

  Crédito da imagem: Estadão


Segundo notícias na imprensa brasileira, a equipe econômica da Dilma aposta na "convergência" da inflação para o próximo ano, próxima da meta de 4,5% ao ano. Ledo engano, da imprensa, da equipe econômica e de principais articulistas econômicos. A inflação continuará alta no próximo ano. 

A equipe econômica composta pelo ministro da Fazenda Joaquim Levy, do ministro do Planejamento Nelson Barbosa e do presidente do Banco Central Alexandre Tombini, estão praticando o mesmo equívoco que levou ao desastre da econômia no primeiro mandato da presidente Dilma. 

O pressuposto da equipe econômica é o mesmo do primeiro mandato, em tese, diferenciando apenas no cumprimento de geração de superávit primário, sem maquiagem. O crescimento do País não depende somente de equilíbrio nas contas públicas, mas sobretudo nas condições gerais da economia, que são inflação baixa e câmbio equilibrado.

A inflação não se combate com prática de taxa básica de juros Selic alto. Isto é mais uma fórmula clássica do FMI, que vale para economias desenvolvidas, mas não vale para economia emergente. Inflação se controla com contração da base monetária, não só via ajuste fiscal, o que não vem ocorrendo.

Na outra ponta, o câmbio defasado ou dólar desvalorizado, que é o mesmo que o real valorizado, desestimula a indústria e o agronegócio. O setor industrial definhou nos 12 anos do governo do PT de 26% para 12% do PIB. Por outro lado, o câmbio defasado prejudica o agronegócio e a mineração, porque o preço dos commodities estão em baixa no mercado internacional.

Tentar baixar inflação utilizando apenas o instrumento da taxa de juros básicos Selic não serve para um país emergente como Brasil. O País paga a taxa básica de juros, entre os 40 países mais expressivos, a segunda maior do mundo, deixando apenas Turquia como o campeão de taxa de juros reais. Isto mostra, o tamanho da enrascada que a economia do Brasil atravessa. 

Dizer ao povo que a taxa de juros Selic é único instrumento adequado para segurar a inflação é uma tremenda mentira. Mais uma mentira do governo Dilma. A taxa básica de juros é apenas "termômetro" da falta de credibilidade dos títulos do governo federal ou do próprio governo Dilma. Não canso em dizer que a taxa Selic é apenas termômetro da economia e não remédio para inflação.

Diante do pressuposto equivocado, avalio que a inflação não cairá nos próximos meses, nem que a Dilma queira. A equipe econômica se preocupa com a liquidez dos títulos do governo federal "Selic", para não ver a nota do Brasil ser rebaixado do "grau de investimentos" para "grau de especulação". Isto é o motivo verdadeiro da manutenção da taxa de juros nos atuais patamares. O Brasil está a precisar de capital especulativo estrangeiro tanto quanto um sertanejo precisa de água para sua sobrevivência.

Alô, equipe econômica! Alô, imprensa! Alô, articulistas econômicos, vamos cair na real, vamos! Chega de mentiras ou meias verdades para dissimular os problemas que o Brasil passa. O quadro econômico do Brasil é grave!

Ossami Sakamori




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não haverá moderação, nem censura, nos comentários dos leitores